Representante do Min. da Economia propõe parceria com setor privado durante 8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro

08 de Abril de 2019

Representante do Min. da Economia propõe parceria com setor privado durante 8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro

Secretário elenca reformas da previdência e da desburocratização do Estado como agendas prioritárias

O secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, Caio Megale, conclamou o setor de seguros a apoiar uma agenda de desburocratização e de melhoria do ambiente de negócios para levar o País a voltar a crescer. O secretário representou o Ministério da Economia na palestra de abertura do 8º Encontro de Resseguros do Rio de Janeiro, ressaltando que os setores de seguros e resseguros são fundamentais para que a economia de mercado funcione bem.

Megale afirmou que o Brasil vive um processo de retomada do crescimento, ainda que no ano passado o indicador tenha ficado aquém da expectativa de uma recuperação mais forte. O maior crescimento não veio em função das turbulências do mercado externo e das incertezas com relação ao processo eleitoral, cujo período traz sempre uma volatilidade maior na economia.

Mas para que a retomada da economia possa se consolidar, segundo ele, é necessário garantir maior confiança e certeza no cenário de reformas e conduzir uma agenda de melhoria do ambiente de negócios, diminuindo a burocracia e o e excesso de regulação. 

Outro ponto considerado fundamental, disse, é o da redução dos gastos públicos, que na última década chegaram a um nível que começou a obstruir a economia. “Não há mais fontes de financiamento para níveis tão elevados de gastos públicos, sobretudo gastos correntes, que sufocam a capacidade de investimento do setor público. Hoje, o Brasil investe menos que a depreciação do capital, há uma deterioração do estoque de capital da economia e é fundamental a retomada da capacidade de investimento. Isso só vai ocorrer com duas principais reformas: a da Previdência e a redução da participação do Estado em diversas áreas. Temos uma secretaria no Ministério da Economia e um cronograma para redução de ativos do Estado”, sinalizou Megale.

Destacando que, em paralelo a essa agenda estrutural e fiscal há uma agenda para a desburocratização e desobstrução da economia, o secretário informou que a Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, sob sua responsabilidade, busca uma interlocução forte e frequente com os diversos setores da economia.

E concluindo sua fala, Megale afirmou que “cabe a nós fazer essa articulação para que essa agenda funcione e não apenas no Ministério da Economia, mas também nas agências reguladoras de uma forma geral, nos ministérios e até o STF. É um grande trabalho de articulação dentro do governo que precisa do reforço do setor privado. Temos de trabalhar junto para resolver um problema que é de todos nós: tirar o país desse atoleiro econômico que já dura seis anos de baixo crescimento. O Brasil precisa mais que pequenas medidas, mas de uma ação mais forte, estrutural para resolver tanto o lado fiscal quanto da desburocratização e entraves da economia. E esse trabalho não será feito só pelo governo, precisamos do apoio de toda a sociedade para que a economia volte a crescer. Contem com o Ministério da Economia, com as secretarias de produtividade e competitividade e de indústria, comércio, serviços e inovação para que tenhamos uma atividade econômica mais fluida e moderna que leve o Brasil de volta ao rumo do crescimento”.

Confira a entrevista com o secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação, Caio Megale, realizada durante o evento

>> Confira o release enviado à imprensa referente ao primeiro dia do evento

*Permitida a reprodução desse material, desde que citada a fonte
© Copyright 2016 | CNseg | Rua Senador Dantas 74, 13º andar - Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP 20031-205 | Tel. 21 2510 7777